terça-feira, janeiro 15, 2008

Brincando de viver...

Não desdenhando das conjunções astrológicas, nem dos combinados do carteado do tarô, nem em qualquer força mística que há de ter por aqui, por este mundão doidão de sebastião. Mas diante de um céu com um amontoado de estrelas e com muito amor no coração, prefiro acreditar no quentinho do peito a derrubar lágrimas infindas diante de uma predestinação.

Pois bem digo isso porque eu adoro a praticidade masculina. Quando cheguei em casa no domingo à tarde, meus irmãos riram das minhas histórias de numerologia. E a gente ficou só analisando, segundo meus aprendizados no mundo mágico dos números. Por exemplo... Euzinha tenho três irmãos. Nós quatro temos os mesmíssimos sobrenomes. Ou seja, nós quatro temos a benção de ter a combinação maravilhosa que concebe o arcano 19 em nossas vidas. Para até ser mais exata, com exceção de mim, classificada como “6”, os meus três irmãos, pessoas totalmente diferentes em quase tudo, são “5”. Ou seja, sob a ótica da numerologia, os três são pessoas iguais e com os mesmos destinos, desacertos, desafios... Pode uma coisa dessas?

Por isso, prefiro ficar com Guimarães na algibeira, quando ele diz, na voz do personagem iluminado “Riobaldo”: “Viver é muito complicado”. A gente não pode levar algumas coisas tão a sério e ao pé da letra. A gente precisa caminhar, aprender, recorrer a novos ensinamentos. Mas sempre com senso de humor e com leveza na alma. Carregar o futuro? De jeito nenhum. Deixo a vida tecer o fio de sua história ao sabor do vento, do tempo que dança ao som do maxixe ou da viola.

Vai ver que foi por isso, que por um sopro da minha intuição, eu nem quis questionar sobre a minha tal “linha da vida”, da qual ele vem falando em nossos contatos. Eu não quero acreditar que este ano não vou encontrar um “meu amor”. Porque isso só poderá acontecer quando o seis se encontrar com o quatro e quando o ciclo terceiro findar com os meus não sei quantos anos.

Quero continuar brincando de viver como se fosse um jogo de descobertas... Revelando os sorrisos do caminho, ora me guardando para estratégias, ora dançando para fazer o show. Quero saber a delícia de ser o que é, pura e simplesmente, com a imprevisibilidade presente.

"É uma pena a senhora andar por aí fatigando seus olhos pelo mundo. Devia era, logo de manhã, passar um sonho pelo rosto. É isso que impede o tempo e atrasa as rugas".
Mia Couto

4 Comments:

Anonymous Anônimo said...

Mô, amigona...teu texto tá simplesmente lindo!
Belo retorno!
E bóra VIVER e AMAR, não é não?
Beijo,

12:01 PM  
Blogger Lu Arroyo said...

Mia Couto, Rosa e Mônica ... Precisa mais alguma coisa pra gente ter um dia lindo?
Obrigada!
Sempre me arrepiando com o que vc escreve!
Beijão,
Lu

11:14 AM  
Anonymous Taís said...

PERFEITO
A vida tem a cor que a gente dá para ela!
Adoro seu jeito de sentir e escrever sobre as coisas.
beijão amada!

10:39 PM  
Anonymous Anônimo said...

Oi amiga Mônica. ("Oi amiga Mônica" tem 13 letras. Vamos ganhar a próxima copa!!!). EEEEE

Simplesmente tri!
Gosto de imaginar o destino como um amigo que nós marcamos de nos encontrar. Se eu mudar de idéia na última hora posso ligar para ele, adiar ou cancelar. De repente até marcar de sair com outro amigo!
Hehe... Bobagem, mas é mais ou menos assim que penso.
Beijão
Cristiano

11:02 PM  

Postar um comentário

<< Home