terça-feira, abril 28, 2009

Adiante...

Ontem, reencontrei uma amiga das antigas, assim, num esbarrão rápido na Rua Augusta. Fiquei matutando o quanto a gente casa e separa por aí com os amigos, ao longo da nossa história. O quanto os caminhos são díspares. E estas ferramentas tecnológicas atuais - MSN, orkut - são ilusórias. Não há nada que consiga substituir o momento "café-pausa-cigarrinho" que há nas firmas. Era nesses momentos cheios de fumaça, que tínhamos os papos mais bizarros e filosóficos. Em meio às esfirras de palmito, a gente devaneava um tanto juntas. Saudade sincera de quem já não anda sentindo mais saudade de nada.

À noite, encontrei com um grande amigo, das antigas também, por telefone. Há muito que não ria tanto. Há muito que não sentia o quanto a minha história é e foi legal ao lado daquelas que estiveram comigo.

E é quando estou assim na minha maior das tristezas é que tenho vontade de pular no colo quentinho desses meus portos seguros todos. Mas sei que preciso me encher de coragem pra seguir adiante, como me aconselha João.

"Tem um ponto de marca que dele não se pode mais voltar. Tudo tinha me torcido pra um rumo só, somente para adiante".

Bora, Mônica. Bora que tem muito mais ainda.

PS - Adoro o beijo escrito com todas as letras e não abreviado, como na internet - "bjo". Escrever beijo por inteiro, assim como ele é "B-E-I-J-O" é não abreviar uma vontade, um sentimento. A consideração é deveras.

2 Comments:

Blogger Carolina said...

Bora Mônica, que é hora de desbravar novos caminhos. Beijão.

10:17 PM  
Blogger Madalena said...

Como disse Drummond: não nos afastemos, vamos de mãos dadas!

Bora, Monicalmon, invadir o Ipiranga! :)

Bjos
Ju

7:48 PM  

Postar um comentário

<< Home