quinta-feira, setembro 20, 2007

Asa quebrada

Prestes a completar 27 anos, busco refúgio no meu casulo. E dói ficar presa, adianto. Penso em muitas coisas, faço contas e rememoro passagens. Posso sentir o gostinho bom que era me sentir com oito anos. Engraçado. Parece que nunca vou me esquecer disso. Assim como nunca vou deixar de lembrar em todas as minhas manhãs azuis o sorriso do cara que me fez amar de verdade e da sua língua de menino entre os dentes me chamando de Momô, me pedindo carinho, colo e sossego.

Posso vangloriar-me de algumas coisas durante esse tempo todo aqui na Terra. Nunca precisei usar óculos, embora quando menina tenha desejado muito o charme das intelectuais com aro vermelho. Também nunca quebrei nada: nenhum braço, perna, muito menos o dedo mindinho. Sempre fui tão precavida, sempre com medo de fazer alguma coisa errada para não dar despesa, nem receber broncas do meu pai. Aliás, lá em casa, nenhum dos filhos nunca nada engessou. Crianças sem arte. Crianças quietas e polidas. Mas tinha uma inveja teimosa daqueles que se machucavam e precisavam pegar o elevador da escola para ir à sala de aula. A única vez que tive a honra de pegar o elevador foi quando levei a mochila de um colega quebrado.

Posso atestar que fui uma criança feliz, uma adolescente sonhadora e romântica e uma adulta... hum... Adulta, euzinha? Nunca senti tanta tristeza e incerteza nesta minha vida. Nunca fiquei tanto tempo debaixo d’água sem respirar ou esperando que algum balão de são joão venha me buscar.

Já não consigo mais sonhar como outrora ou inventar aquelas tantas histórias. Já não toco mais o meu violão, nem tomo chuva de espersor. Eu só acordo, ando de carro e teclo. Mecanicamente. Sem graça, sem cheiro, sem cor. Minha vida está parada, estagnada e é curioso, pois a sensação que tenho é a de que fui atropelada.

Quer saber? Não vejo a hora desta minha asa quebrada se refazer. Quero voltar a voar.

1 Comments:

Anonymous manifesta o p. said...

sabe pq tudo isso? pq vc e chata demais.

12:59 PM  

Postar um comentário

<< Home